sexta-feira, 15 de março de 2019

DAS PAREDES DO PORÃO DA CADEIA DE MONSANTO - capítulo 5



CAPÍTULO 5

        Eu posso falar por mim, não posso falar pelos outros, porque ignoro muito o mundo e a psicologia dos outros junto com sua sociologia. Mas confesso que deixo-me guiar pela cabeça dos outros, sou influenciável. Percebi isso por meio do meu hábito de fumar tabaco em cachimbo. Fumava em cachimbos curvos, até que um amigo mostrou-me seus cachimbos, todos do cabo reto. E passei a usar, de preferência, cachimbos do cabo reto. Nunca andei na moda quanto à indumentária, mas, quanto a outras coisas, sou um bicho imitativo igual ao macaco. Será que sou só eu? A existência da propaganda me diz que não. Mesmo quando procuramos ler um livro, normalmente o fazemos porque já alardearam aos quatro ventos seu título, ou tem fama seu autor. Digo fama porque, outro dia, uma dançarina vendeu livro à beça. Mas, em geral, o que buscamos é o prestígio literário do autor. Posso dizer por mim, que busco aprender com autores de prestígio, buscava quando lá fora. Agora, só busco pelo Puto, quando ele desaparece por mais de um dia. Carência afetiva.
        No tempo em que fui puto, fui um puto safado. A quintessência do moleque e da traquinagem. Mentia, furtava, ludibriava os outros putos, neles batia, e cheguei a bater até num adulto na rua, recebendo a devida recompensa...
        Mereço estar preso, pelo menos pelo furto da lapiseira:
        Na escola, cobicei a lapiseira de um colega. Esperei que a sala se esvaziasse na hora do recreio, catei o objeto do desejo, e coloquei-o cuidadosamente na lata de lixo, embrenhando-o sob os papéis. Na volta do recreio, o dono da lapiseira reclamou sua falta à professora, e o drama se estendeu até o fim do tempo regulamentar. Todos foram revistados, tudo foi revistado, menos o lixo. A professora liberou a saída da turma, e o puto chorando. Não tive dó. Depois que a sala ficou vazia, voltei lá, e furtei em definitivo a lapiseira, retirando-a do lixo. Mereço a cadeia. Agora entendo por que.
        Longe de mim fazer apologia do anti-herói modernista. Para mim, e realmente só acho que possa aqui falar por mim, bem, para mim, o Modernismo foi um movimento que, apesar de se pretender artístico, teve cunho político, e efeito avassalador na instrução pública. Basta ver o caos nas universidades públicas, e a opulência da ignorância com que o cidadão recebe o canudo do Ensino Médio.
        Na Poesia, o verso-livre democratizou a possibilidade de alguém achar que seja poeta, mas vejamos se hodiernamente livros de poemas vendem como no tempo do verso feito nas regras da arte.
        Assim, que o puto safado que fui não venha a inspirar nenhum puto bem comportado a se desvirtuar. Porém, meu anjo da guarda me guiava... E percebi a tempo que aquela aparente ascendência que eu exercia sobre meus pares certamente me prejudicaria se eu me criasse na malandragem e, futuramente, por que não na Política? Então, abandonei o costume de enganar e de bater nos outros putos, mesmo porque, além de bater, eu começara a apanhar também.
        Todavia, continuei na marginalidade. É, passava sempre à margem do caminho, não me misturava, era a loucura congênita latejando para exuberar, o que finalmente ocorreu durante o curso de Engenharia.
        Se deixara de ser malandro, fora por refinada malandragem, a marginalidade continuou em mim. O crime é um tipo de loucura, assim como o são os tiques nervosos, as manias, e a mania feia.
        Adquiri a tendência equivocada de concordar em conversas, sem discutir nada. Fazia sonetos, resumia toda ideia em quatorze versos. As estórias que imaginei, não as escrevi. Em vez de falar, costumo calar.
        Mas creio que aqui cabe o debate, “da discussão sai a razão”, diz o samba de Noël de Medeiros Rosa.
        Bicha louca é uma expressão brasileira que designa homem afeminado ou também travestido de mulher. Se a expressão existe, em algum momento teve sua razão de ser. Causa estranhamento alguém desmunhecando, até em mulher isso seria estranho, caso fosse costume feminino, e não é. Desmunhecar seria um tique nervoso ou mania? Aqui se dá uma discussão sincera sobre o tema, pois mesmo homossexuais se perguntam o porquê de serem diferentes da norma, e desmunhecar é só um aspecto da questão, pois a homossexualidade transcende a aparência. Tu, aí no futuro, tens respostas para a pergunta que fiz?
        No momento, não ouso responder. Há uma censura tácita sobre o tema. Mas nesta parede de cadeia ela não chega, então prossigo. Só posso falar por mim, já disse. Na minha opinião, a loucura se manifesta de tantas formas, que alguns são presos por serem loucos, e outros não; alguns tomam remédio por serem loucos, e outros não; alguns são elogiados por serem loucos, e outros não.
        Política, atenção! Política! Sempre evitei o tema lá fora, mas noto que ele tem sido recorrente aqui. O perigo vem do Islã. Para eles, a gente nunca deixou de ser considerado o povo infiel. E cá vêm eles invadindo a Europa, enquanto nossa cultura ocidental decai no ateísmo e na degeneração moral. A quem interessa o enfraquecimento da família cristã? E por acaso o enfraquecimento da masculinidade heterossexual não colabora para a fragilidade da estrutura social como um todo? Vê se no Irã se dá estímulo a movimentos do tipo LGBT.
        Quantas mulheres têm sido sodomizadas para atender às expectativas de seus parceiros sexuais... Isso está na boca do povo, não carece um encarcerado dizer. É feio expor a realidade por escrito. Mas nem o termo parceiro sexual deveria existir fora do matrimônio. Sexo apenas dentro do matrimônio resolve muitos problemas sociais: doenças venéreas, gravidez indesejada, aborto, desagregação familiar, mães adolescentes que muitas vezes se encaminham para a prostituição por falta de formação profissional, e, o que eu mais verifiquei na prática, alunos com problemas cognitivos decorrentes da referida desagregação familiar.

continua sexta-feira...

LIVRO: aqui

2 comentários :

Raphaela Barreto disse...

Não gosto da opinião ou achismos da sociedade, mas somos influenciados de uma forma ou de outra.

Abraço e ótima semana
http://mylife-rapha.blogspot.com

www.elianedelacerda.com disse...

vdd, meu querido amigo!
Acaba que somos influenciados de alguma forma pela própria sociedade e sem percebermos, há um sistema bem direcionado para fazer nossas cabeças!!!!!
Bjos no seu coração!
www.elianedelacerda.com