sábado, 11 de agosto de 2018

METAFÍSICA DO PEIDO - Capítulo 8



Capítulo 8

         Os flatos vaginais são outro assunto de suma importância.
         Durante o coito, é possível que a boceta peide. O constrangimento se estabelece, mas normalmente é sobrepujado pela empolgação do momento. Tanto o peido anal quanto o peido bocetal são inoportunos na presença de outrem; no caso do bocetal, o testemunho do parceiro é inevitável. Portanto, o peido propriamente dito, o que sai do cu, continua sendo melhor, pois, se na ausência de testemunha, dá sempre o prazer do alívio. É o que eu digo: ao soltar um pum, onde quer que seja, fico imediatamente ali veado. Coisa parecida é quando encontro meu amigo Adão na rua, e digo: Hoje eu vi Adão.
         Se bunda é preferência nacional, boceta é unanimidade. Homem gosta de boceta, mulher cuida com zelo da própria boceta, tem mulher que gosta da boceta alheia, tem homem que quer ter uma boceta em si mesmo. Olha, vou te falar, não é à toa que chamam-na de perseguida.
         Lembro-me de quando a vagina de minha senhora juntou tanto muco que parecia recheada de requeijão cremoso. Desculpe o baixo calão. Acontece que foi meu filho Nelson Rodrigues o mentor intelectual da ocorrência. Ele imaginou um equilíbrio da flora microscópica de nossos corpos. Parou de tomar banho. Após uma semana, Cunegundes foi chamada à escola por conta do fedor de Nelsinho, e defendeu o filho com unhas e dentes. Voltou da escola furiosa, determinada a se solidarizar com ele. Parou de tomar banho. É. Olha a encrenca em que eu me meti sem ter movido um palito. O jeito foi eu parar de tomar banho também, ora porra! Fui despedido do emprego. Voltamos a tomar banho.
         Tomar banho de chuveiro é uma coisa, mas tomar banho de banheira é outra coisa. Peidar na banheira então... Parece uma bomba atômica dentro da banheira, aquilo sobre e explode na superfície da água espalhando um suave buquê de merda. Lembrei-me disso quando vi o funcionamento de um narguilé.
         Falando em narguilé, eu fumo cachimbo, fumo tabaco no cachimbo — hoje em dia a gente tem de dar certas explicações. Sendo tabagista, verifico que o imposto sobre o tabaco chega praticamente a criminalizá-lo. Entanto, querem legalizar a maconha. Ué, legaliza, mas reduz o imposto do tabaco, para o povo escolher. Saudável é ninguém fumar, nem beber álcool; mas quem disse que eu quero ser saudável? Imagino o velório de um membro da geração saúde, eis aí um cadáver saudável... Toda vida que não é eterna é sempre pouca.
         Desculpa furada de um tabagista, pois é claro que morrer saudável é melhor, melhor do que sofrer cheio de grugrunhanha por conta de fumo e álcool e morrer do mesmo jeito mas pesteado que só o pó.
         Saber morrer é uma arte. Só se morre no fim, o jogo só acaba quando termina. Mas, sabendo que desde o nascimento a morte é certa, podemos cultivar nossa morte com requintada volúpia. Estamos morrendo todos desde o começo da vida, mas o que pensamos entre nascimento e morte é fundamental para uma boa morte. Enquanto que o nascimento é alheio à nossa vontade. Pois viva bem enquanto morre, e morra bem enquanto vive!

continua sábado...

2 comentários :

Diana Fonseca disse...

Uma reflexão ORIGINAL.

Andreia Morais disse...

Bem original :p

r: Ainda bem que gostou