sábado, 25 de agosto de 2018

METAFÍSICA DO PEIDO - Capítulo 10



Capítulo 10

         Quando vim da minha terra, eu passei na Barra Funda, amolei faca e facão no couro da tua bunda. Não é de minha lavra, infelizmente. Uma pérola do cancioneiro popular, bem popular. Contra o sucesso não se discute.
         Discute-se sim o sucesso. Há tanto sucesso discutível por aí, tanta verdade duvidosa. Desculpe quem faz um sucesso duvidoso, mas tapinha não dói, dói? Só sei que é doloroso ouvir as canções de sucesso atualmente. Tá aí uma frase que se encaixa na boca dum velho!
         As canções são reflexo de seu tempo; às vezes chove, às vezes bate sol, e às vezes fica tudo nublado. Está nublado, mas, chuva que é bom, nada. A chuva fertiliza a terra. O sol faz os frutos brotarem. E o dia nublado dá acidente de trânsito. A canção de um acidente de trânsito pode ter o título de “fratura exposta”, mas ser boa. O problema é que os autores das canções hodiernas é que parecem estar com uma fratura exposta, no crânio.
         Contra sucesso não há argumento. Não sei. Mas uma coisa é certa: pau grande. É, o falocentrismo esporrando para todo lado. Contra pau grande não há argumento. Se você tem um bem grande, experimente mostrá-lo numa discussão, todo o mundo cala a boca na hora; e talvez você seja preso por atentado ao pudor. Mas o silêncio dos argumentos é imediato. Mulher ou homem, não importa, sentir-se-ão intimidados por uma caralha monstra.
         Falocentrismo é o terror das feministas, e eu concordo com elas, melhor é a boceta. O movimento feminista foi tão bom em suas origens, defendia a dignidade da mulher, combatia a cultura da fêmea como objeto de procriação e prostituição. Mas, e agora? Aí está a “marcha das vadias” à guisa de falso feminismo que não me deixa mentir. As matriarcas do movimento feminista devem estar se revirando no túmulo. Será que mais de um século de feminismo serviu para hoje em dia a gente ver moças fazendo tutorial de maquiagem na Internet? Sem falar na pornografia imperante na mesma Internet, a qual parece mesmo ser a “grande prostituta” do Apocalipse.
         Olha como as pioneiras do feminismo se vestiam, os ideais honestos que as moviam. Ser mãe é a maior dignidade que alguém pode ter.
         Política, é de primordial importância, mas a evito; há sempre o risco da má compreensão do discurso. Mudemos de assunto.
         Mas o assunto que me vem continua sendo mulher. Outro dia ouvi uma conversa de homens recém casados. Um disse que se casou com uma mulher alta porque ele é baixinho, e queria equilibrar a prole. Outro se empolgou, e disse: “Tive a mesma ideia! Casei-me com uma loira porque sou negão.”. Outro falou que também pensou assim, e se casou com uma professora porque ele era analfabeto.
         Aí, meu filho Nelson Rodrigues, orgulho do papai, concluiu a conversa em estilo lapidar:
         — E eu, que tenho o pau pequeno, casei-me com uma mulher do pau grande.

continua sábado...

obra completa: aqui

11 comentários :

A Casa Madeira disse...

As causas hoje em dia sejam elas quais forem
estão meio fora dos seus porquês iniciais...

Andreia Morais disse...

Tenho que ler a restante obra para me contextualizar :)

r: Sim, traduzi-los acaba por retirar-lhes o significado

www.elianedelacerda.com disse...

Amigo,
que SAUDADE !
vc sumiu....
Amei esse seu post, vc é demais!
Vou acompanhar...
bjo
Boa semana e muita inspiração!

Raphaela Barreto disse...

Gostei do capítulo e uma frase em especial me chamou a atenção, "As canções são reflexo de seu tempo". Isso é algo que sempre penso, sei que não tem muito a ver com o capítulo, mas hoje sempre vejo os idosos reclamando que não se fazem mais os modões como antigamente, que a música mudou. Na verdade, a música não mudou, e sim as pessoas. Antigamente vivíamos no campo, e hoje na cidade. A musica há de ser musica sempre, mas as pessoes sempre mudarão.

Andreia Morais disse...

r: Muito obrigada :)
Sim, é verdade!

Andreia Morais disse...

r: Muito, muito obrigada!
Tenho sempre que apontar as minhas ideias, caso contrário também me esqueço
Um dos meus objetivos é tirar um curso de fotografia, porque é uma área que me fascina e na qual gostava de investir

Diana Fonseca disse...

Sempre textos tão engraçados.

Andreia Morais disse...

r: Muito obrigada :)

Raphaela Barreto disse...

Ótimo final de semana Marco,

Ótimo final de semana,
http://mylife-rapha.blogspot.com

Andreia Morais disse...

r: Muito obrigada :)
Agora que penso, acho que também só vi na altura da fotografia

Andreia Morais disse...

r: Gosto muito no iogurte :) não conhecia a música, obrigada pela partilha!