segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

ALOIS ALZHEIMER


ALOIS ALZHEIMER

Alzheimer, esclerose, estar gagá,
o nome não importa, a caduquice,
se pega alguém bem antes da velhice,
é boa brincadeira, sendo má.

É alguém se embriagar com guaraná,
é a gente estar num mundo que sumisse
em neurofibrilar esquisitice,
secagem de neurônios, diz Alois.

E agora bebo é pinga, não por quê?,
fumando meu cachimbo de tabaco,
que é careta, faz mal, e é démodé.

Morrerei, mas feliz igual macaco
rindo abestado até do que não vê,
conforme as normas do balacobaco!


Marcos Satoru Kawanami


2 comentários :

Elyane Lacerdda disse...

Querido amigo poeta,
são doenças terríveis mesmo!
Mas tbm quero rir ate meus últimos dias....
Boa semana!
http://www.elianedelacerda.com

Rafaela Figueiredo disse...

Adoro tua leveza na dureza da vida.
Genial!

Bjo, Marquitos