segunda-feira, 25 de julho de 2016

MISTO QUENTE


MISTO QUENTE

Algum lugar pensado, inexistente,
existe na memória do que existo,
ainda que o lugar eu tenha visto
no tempo sem pensar de estar contente.

Sentido algum me diz que agora sente
aquele tal lugar que sinto, e, nisto,
o mundo quer mostrar-se como um misto
de hambúrguer e bauru, um misto quente.

Mas em qualquer lugar felicidade
constrói o pensamento quando pode,
e agora humor feliz é o que me invade.

Pois danço minha pena no pagode
escrito nestes versos à vontade,
enquanto um povo doido se sacode.


Marcos Satoru Kawanami