quinta-feira, 12 de maio de 2016

SONETO À MANDIOCA


SONETO À MANDIOCA

Aipim ou pão-da-terra ou macaxeira,
a casa de Mani, raiz, mandioca,
a Manihot utilissima pipoca
em toda a ilustre terra brasileira.

Da terra para a feira e prateleira
da urbe: pão-de-pobre na maloca;
com pouco sua roça bem se toca,
e utilidade tem a planta inteira:

A folha para sopa foi eleita;
para ração, o caule se habilita,
e a casca da raiz não se rejeita.

Enfim, a polpa é toda na marmita,
pois da mandioca tudo se aproveita,
inclusive a metáfora bendita.


Marcos Satoru Kawanami


2 comentários :

Diana Fonseca disse...

Coisa boa.

Lady Di disse...

Marcos, amo estar por aqui, o seu blog faz a diferença, continue :)

http://ladydiene.blogspot.com/