sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

SOBRE O AMOR - Luís Vaz de Camões, o filme.

LINK: recitando o soneto.

SOBRE O AMOR - a Luís Vaz de Camões, pai da língua portuguesa.

Amor é o próprio Deus, o criador;
é Nele desfrutar toda amizade,
empenhando por Ele seu favor.

É ter, com quem nos ama, lealdade;
é servir a quem vence: o Redentor;
é fazer de um segundo eternidade.

É saber que se ganha em se perder;
é nunca se render ao aparente;
é um andar solidário entre a gente;
é um bem querer acima do querer.

É ideal mui subido pra se ver,
é ideal muito à mão pra quem o sente;
e, estando de tal forma onipresente,
o Amor inda se faz contradizer?


Nhandeara, 12 de fevereiro de 2016
Marcos Satoru Kawanami




A CAMÕES

Quando n'alma pesar de tua raça
A névoa da apagada e vil tristeza,
Busque ela sempre a glória que não passa,
Em teu poema de heroísmo e de beleza.

Gênio purificado na desgraça,
Tu resumiste em ti toda a grandeza:
Poeta e soldado... Em ti brilhou sem jaça
O amor da grande pátria portuguesa.

E enquanto o fero canto ecoar na mente
Da estirpe que em perigos sublimados
Plantou a cruz em cada continente,

Não morrerá sem poetas nem soldados
A língua em que cantaste rudemente
As armas e os barões assinalados.

Manuel Bandeira




Soneto 5 da Lírica

Amor é fogo que arde sem se ver;
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente;
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís Vaz de Camões




Link do filme completo: CAMÕES

8 comentários :

Paullus Victhórius disse...

Que bela homenagem a essa lenda da literatura!
"O amor é o próprio Deus, o criador"

um grande abraço.

Sissym Mascarenhas disse...



Marcos,
Quando adolescente havia aula de literatura, li Camões e M Bandeira.
Foi na faculdade, ao reencontrar Camões, que mais apreciei.
O Soneto 81 é uma ode que soa como música de tão lindo.
Alias, inspiração para muitos.

Bjs


CÉU disse...

SUBLIME, seu soneto! Quem sabe, pode fazer tanta coisa com as palavras!

Bom fim de semana!

CÉU disse...

Bem, por favor, me descodifique o que deixou em meu blog, suponho k como comentário.

Muito agradecida!

ReltiH disse...

EXCELENTES TEXTOS. GRACIAS POR COMPARTIRLOS.
ABRAZOS

Rapha Barreto disse...

Adoro este poema de Camões e gostei muito da forma que tu escreveste. Manuel Bandeira também é mestra nas poesias.

E faço das palavras de Camões, as minhas, sobre o amor.

Boa semana!
http://mylife-rapha.blogspot.com

Elyane Lacerdda disse...

Amigo poeta, só Camões pode sentir dessa forma!!!!
É só o Amor, é só o amor.....
amo seus escritos e tudo que vc posta!
bjos
http://www.elianedelacerda.com

Laura Santos disse...

Que boa dose tripla!
Que forma bonita de evocar Camões, primeiro com essa espécie de conversão de um dos seus sonetos, depois o soneto de Manuel Bandeira, e por fim, o "fogo que arde sem se ver". O Amor, sempre o Amor!
xx