sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

MORFINA


MORFINA

O drone vai voar pelas mãos do menino
argonauta à Orfeu, vai em sonho bonito
ver tudo o que se vê mais além do infinito
e que a lira não viu para cantar em hino.

O drone vai entrar no quintal do divino
brincando com Morfeu, a filmá-lo esquisito
na quarta dimensão de um vídeo que cogito
igual nem no Youtube, igual nem um neutrino.

Despede-se do mundo, embarca bem contente
o argonauta a sonhar com neutrinos e drones,
vai sem nem perceber que é compulsoriamente.

Remanescem aqui tornados e ciclones,
a guerra, a corrupção, a dor do bem ausente
que, por ir tão feliz, nem deixou telefone.


Nhandeara, 15 de janeiro de 2016
Marcos Satoru Kawanami



Link do filme sobre os argonautas: Jasão em busca do velo de ouro

4 comentários :

Rapha Barreto disse...

Adorei! E nada melhor que sonhar.
Parabéns pelo poema.
Boa semana!
http://mylife-rapha.blogspot.com

Paulo Vitor disse...

Mestre!

Rafaela Figueiredo disse...

Adoro esses links cinematográficos q encontro aqui! :)

Que alguma beleza permaneça nas nuvens - imaginação - de nosso cotidiano feito de sutilezas.

Bjo, Marquitos

Laura Santos disse...

Difícil é sempre o regresso dos argonautas!
xx