sábado, 2 de janeiro de 2016

DESBOTOU


DESBOTOU

A estampa desbotou, foi alvejante,
por sobre a camiseta derramado
a fim de subtrair do maculado
desenho a testemunha de um instante.

Não teve outro remédio o destoante
emblema que, estampado no estampado,
desfez completamente o desenhado,
e a mancha de um só pingo era gritante.

Saiu pior a emenda que o soneto,
conforme já foi dado a perceber
na estória em que eu agora me intrometo.

Melhor do que alvejante era esquecer
a mancha, pela qual me comprometo
a diluí-la em verso ao escrever.


Nhandeara, 2 de janeiro de 2016
Marcos Satoru Kawanami


2 comentários :

Laura Santos disse...

Na melhor estampa é onde cai sempre a nódoa, Marcos! Mas existirá sempre um poeta disposto a dissolver no verso, qualquer mancha. :-)
Bela imagem, com escova e tudo!
xx

José Carlos Sant Anna disse...

Nada melhor que versos tão transparentes para resolver este dilema.
Poema límpido...