sábado, 21 de novembro de 2015

TREM


TREM

É muito estranhamente apetecido
um apogeu, sabendo que lhe segue
a lei da decadência, à qual, entregue,
ladeira abaixo vai quem tem subido.

Subindo um monte, espera distraído
a hora de descer, isso não negue
quem da dinâmica beber consegue,
ou quem bastantes montes tem descido.

Então, é natural que a Humanidade
por senda sinuosa sempre esteja
sentindo algo parelho à Gravidade.

E, quem no escuro vê, que agora veja
a luz no fim do túnel da maldade,
e, findo todo o Tempo, a Eternidade.


Nhandeara, 21 de novembro de 2015
Marcos Satoru Kawanami


4 comentários :

Elyane Lacerdda disse...

Que lindo poema,amigo poeta!
O Trem marca a nossa vida, sempre leva nossos sonhos e carrega nossas lembranças...o trem passa e parte todos os dias em minha cidade, ouço nas madrugadas frias e quentes da minha Terra!
Gosto da figura do trem!!!!!
Vai e volta!!!!!
bjos e bom fds
http://www.elianedelacerda.com

Arco-Íris de Frida disse...

a luz no fim do túnel da maldade,

Onde?

Marcos Satoru Kawanami disse...

Arco-Íris de Frida,

A luz no fim do túnel é o trem que vem de encontro. O título é bem humorado.

=)
Marcos

Laura Santos disse...

A luz que vem no fim do túnel da maldade só pode ser
mesmo a luz desse trem que vem descendo a toda a velocidade!
Que pena que possa ser apenas essa luz!
xx