quarta-feira, 18 de novembro de 2015

MISSÃO MARTE


MISSÃO MARTE

Enforca-se na própria liberdade
igual a um cão na rua atropelado
achando que foi bom ver o outro lado
do mundo, sem portão nem muro ou grade.

Demonstra uma medonha habilidade
em se ferrar sozinho, em ser lesado,
o ser humano alegre e libertado,
vivendo uma ilusão de liberdade.

Mas lixo é o que produz, e, envaidecido,
faz marketing do lixo em toda parte,
se achando o Criador, e mais sabido.

Faz lixo até chegar no estado da arte,
e, enquanto este planeta é entupido,
já pensa em fazer lixo lá em Marte!


Nhandeara, 18 de novembro de 2015
Marcos Satoru Kawanami


4 comentários :

Laura Santos disse...

Excelente, Marcos!
Como se não bastasse o lixo todo aqui no planeta azul, a grande meta agora é também Marte, o planeta vermelho. Uma humanidade que não consegue acabar com a fome nem com a guerra, projecta-se no espaço como um desígnio urgente e supremo. Um lixo de prioridades!
xx

Fábio Murilo disse...

Ótimo soneto , Marcos. Bem atual! Abraços!

Arco-Íris de Frida disse...

Perfeito...é o Homo Sapiens tentando fazer merda mais longe de casa...

ReltiH disse...

EXCELENTE REFLEXIÓN!!!!!
ABRAZOS