terça-feira, 13 de outubro de 2015

SOFRÊNCIA


SOFRÊNCIA

Eu via, à beira do riacho fundo,
o quanto nada vejo do que sou,
o quanto apenas vejo o que passou,
o quanto é cego meu andar no mundo.

Estranho enlevo de um meditabundo
enleva o estranho ritmo no qual vou
chegando no lugar que não chegou,
estando à beira do riacho fundo.

Porquanto um tal riacho não existe
naquela profundeza que eu sentia
a tarde enluarada em que partiste.

E é tarde enluarada todo dia
que nasce desde quando um mundo triste,
à beira do riacho fundo, eu via.


Nhandeara, 13 de outubro de 2015
Marcos Satoru Kawanami