quinta-feira, 29 de outubro de 2015

MAIS RUIM


MAIS RUIM

Eis o mais ruim soneto deste mundo,
difícil é fazer assaz mal feito
se o escopo é o mal feito ser bem feito
e ser capolavoro em vagabundo!

Se a bunda fosse macho, ela era bundo;
se faço cooper, tenho o cooper feito;
se aquele que mais rouba é que é eleito;
qualquer buraco raso ainda tem fundo.

A merda aduba a terra, e sai da bunda,
de modo que é da bunda o bom insumo
agrícola que faz os pau crescer.

Ofereço esta obra pra Raimunda,
que rege com o rabo o humano rumo
do puto que ora põe-se a escrever.


Nhandeara, 29 de outubro de 2015
Marcos Satoru Kawanami


8 comentários :

Laura Santos disse...

Para soneto "mais ruim do mundo" não está mal... Bem demonstrativo de que a bunda é algo de bom, e que até os excrementos têm utilidade. :-)
Ah Marcos que divertido! E que viva a Raimunda!
xx

José Carlos Sant Anna disse...

E claro que não vou lembrar do epíteto porque nem sempre é assim. É sempre bom te ler, ainda que para "o soneto mais ruim do mundo".

Forte abraço,

Rafaela Gomes Figueiredo disse...

Hahaha
Vc e suas peripécias poéticas!..
Adorei as assonâncias e cacofonias divertidas.

Beijo

*finalmente recuperei minha senha do blog.. Esse sistema me cansou!

ReltiH disse...

EXCELENTE TU TEXTO!!!
ABRAZOS

A Casa Madeira disse...

Esse mais ruim... tem tanta lógica que bota
muito poema bem composto a correr...
talvez o título para esse poema deveria ser: o cheiro do ralo.
A vida dá origem em uma putrefação humana... mesmo que alguns tentam
a vida inteira se limpar dela; em todos os sentidos.
Bom final de semana...

CÉU disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Arco-Íris de Frida disse...

E viva a Raimunda que inspirou esse poema... que de mais ruim nao tem nada...

Arco-Íris de Frida disse...

Mas foi justamente aquela Raimunda que me referi... a feia de cara e boa de bunda... que inspirou vc a escrever...