domingo, 7 de junho de 2015

Fogo No Rabo - uma novela do mano Elcarlos

Parte do elenco de Fogo No Rabo, da TV PIRATA.
Da direita para a esquerda: Cristina Pereira, Pedro Paulo Rangel,
Louise Cardoso, Diogo Vilela, Ney Latorraca e Débora Bloch.

FOGO NO RABO – uma novela do mano Elcarlos

         A reprise da novela Fogo no rabo tem aguçado a imaginação da minha cachorrinha, que passou a perseguir o próprio rabo e lamber a própria periquita. A senhora já lambeu a própria periquita? E o senhor, já lambeu o próprio pau? Minha cachorrinha é mais esperta que nóis tudo...
         Falando em periquita, é esse mesmo o tema da novela, cuja trama está centrada no desequilíbrio ecológico entre duas periquitas sapatonas dubladas por um papagaio tarado, que fazia as duas vozes, e ainda cantava Conceição nos intervalos.
         Conceição não atuou na novela, mas era modelo e atriz, e não tem nada a ver ficar falando da moça aqui, mesmo porque ela levou pau no teste de solfejo, dó ré mi sol fá... É, devia ter cantado fá sol.
         Voltando ao assunto. Uma das periquitas é segurança de uma boate em que só dá galinha, a Boate Galinheiro. Daí vem o ciúme doentio da outra periquita, e ciúme de sapatão... é rola! Tudo por causa do galo do galinheiro, ainda que ele foda com o cu, e durma em cima de um pau. Enfim, o mamão é macho, mas é fruta, e esse galo bota ovo.
         Típico ciúme sem fundamento, o problema é da periquita, que anda murchinha pelos cantos, mas é fértil, principalmente de imaginação. Então, você já viu, ela começa a fazer uma merda atrás da outra até terem de trocar o piso da gaiola.
         Nessa fase de mudanças, a periquita da Boate Galinheiro sofre uma crise de identidade psicofuricular, e resolve dar para o galo. Aí, fudeu, ou muito pelo contrário. A bichice do galo é justamente o que atrai a periquita, que é espada, e se vê mais confusa que corintiano em fla-flu, ou grenal, sei lá, fiquei confuso agora.
         A trama segue enovelada com sucessivos novelos novelísticos, até que Barbosa entra para resolver a parada. Ney Latorraca, que já viu a novela, sabe que Barbosa é o cara, fala feito um retardado, e vai passando o rodo.
         E, já que é reprise, posso contar o final da estória. Barbosa acaba ficando com a Boate Galinheiro, come todas as galinhas, e solta a franga, digo, o galo.
         O galo faz cirurgia de mudança de sexo, e descobre quem realmente ele é: uma franga sapatão! Assim, a periquita segurança consegue seduzir o galo franga sapatão, e o leva para casa, onde passam a viver um ménage-à-trois com a outra periquita.
         O papagaio tarado, inconformado com o desenrolar dos trabalhos, manda eu parar de escrever.
         Eu não o obedeço, afinal, minha patroa é Conceição, que voltou para o morro a sonhar, depois da pacificação e da UPP.
         Falando nisso, cadê a Conceição?
         E o papagaio filho da puta diz: “Conceição tá na UPP, seu corno! Maria UPP, Maria UPP... Canta comigo, veado!”.

Nhandeara, 7 de junho de 2015
Marcos Satoru Kawanami