sexta-feira, 5 de junho de 2015

ficar na mão


FICAR NA MÃO

Sete anos, por Jacó, Raquel sofria,
sofria a todo instante, o ano inteiro,
sentindo que queimava num braseiro
a doce mocidade, a qual partia...

Labão, ainda por cima, deu foi Lia
a fim de desposar Jacó primeiro;
e, pobre de Raquel, que pai fuleiro!,
tramava, assim, deixá-la pra titia?

E nunca se viu tanta carestia
de rola, que estampava, no trigueiro
semblante de Raquel, branca apatia.

Conforto traz às moças tal roteiro,
se, às vezes, encontrarem agonia,
tocando siririca no banheiro.



Nhandeara, 5 de junho de 2015
Marcos Satoru Kawanami


3 comentários :

JAIRCLOPES disse...

A Onan

Se essa falta de sexo lhe traz agonia,
E de buça você sequer sente cheiro,
Não a vê hoje, como antes não a via,
Meu amigo, apele então pro dinheiro.

Contudo, há um espaço prá fantasia
Onde você não é ou será o primeiro.
É uma atitude de aparente covardia
Que se faz normalmente no banheiro.

Lembrando que até Adão tal já fazia
Como simples rotina, como roteiro
Quando Eva alegava faltar energia.

Mas não ligue prá rótulo, seja useiro
Pois poucos enxergam essa poesia
De sexo autônomo de um punheteiro.

Elyane Lacerdda disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
amigo poeta, amo suas poesias cheias de ironias!!!!
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Muito bom mesmo!!!!!
BRAVO!!!!!
http://www.elianedelacerda.com

Rafaela Figueiredo disse...

Haha
Vc é o mestre dessas líricas impudicas!

=*