quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Alma e Moral - No princípio, era o Verbo...


ALMA E MORAL

        Ao se observar a matéria, notamos facilmente que esta é animada, movendo-se macro e microscopicamente amiúde. Donde vem a questão do que animaria a matéria, o que seria e como seria a sua alma. Um aparato que exemplifica o ânimo da matéria pode ser o da fileira de dominós derrubando uns aos outros em seqüência: A matéria é animada pela lei de causa e efeito.
        A consciência e vontade própria, que são capazes de transgredir a lei de causa e efeito da matéria bruta, desassociam a alma do vivente da matéria. Senão agiríamos sem saber, sem autocrítica, agiríamos como uma reação química ou uma pedra caindo sem dar conta do que estaríamos fazendo, à semelhança de um protozoário. Poderíamos parecer ter consciência a quem nos visse, mas nós mesmo não sentiríamos tal consciência, não sentiríamos nada, nem os 5 sentidos sentiríamos, apesar de que estaríamos parecendo senti-los.
        Quando surgem a piedade, a condolência, o Amor enfim, a alma desassociada da matéria é Sentimento, é a Boa-Vontade, é o Verbo: imagem e semelhança de Deus.
        A ética racionaliza causa e efeito de modo a regrar comportamentos em proveito do conjunto e do indivíduo, sem altruísmo, sem santificação, sem sentimento. Reduz o vivente a matéria bruta, ou, quando muito, a uma fera domada.
        Já a moral considera a alma dissociada da matéria, percebe a sutileza que passa batida aos olhares brutos, reconhece que o vivente não é um efeito dominó sem consciência. É a moral, e não a ética, que leva Cristo a se entregar exangue na cruz, é a moral que faz os mártires de todos os tempos e civilizações. É da moral que o Diabo tem medo, porque a moral não se submete à matéria, ao poder econômico e ao poder político. É a moral que contraria os preceitos dos escribas e fariseus. É a moral que não se corrompe por dinheiro nem retrocede por medo da morte e da dor.

Nhandeara, 8 de abril de 2012
Marcos Satoru Kawanami




No princípio, era o Verbo...

        O ato é convencional, a vontade é absoluta. A mesma vontade pode se manifestar diferentemente em atos diversos. Pois todo ato depende da matéria, e resulta de uma vontade. E, se todo ato resulta de uma vontade, no encadeamento de atos e vontades fisiológicas cerebrais, a Origem é uma Vontade sem ato precedente (vontade alheia a qualquer convenção material), que desencadeou todos os atos e vontades fisiológicas cerebrais; portanto, essa Vontade não pode ter origem fisiológica cerebral: a alma do índio botocudo.
        Do contrário, o funcionamento cerebral seria algo sem começo, que sempre existiu materialmente? Mas a Matéria existe a partir de quê? Mesmo que a Matéria sempre tenha existido, os atos da Matéria, à semelhança da fisiologia cerebral, têm origem numa Vontade; senão o Universo seria um moto-perpétuo, que é um conceito do Mundo Ideal já exaustivamente descartado do Mundo Material. E, mesmo que o Universo fosse um moto-perpétuo, teria entrado em andamento sem uma causa, sem algo precedente ao Universo que o colocasse em andamento? Teria, então, a matéria, e seu movimento também, se auto criado do nada?
        “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus, e o Verbo era Deus. Tudo foi feito por meio dele, e sem ele nada foi feito de tudo o que existe.”, diz o capítulo 1 do evangelho de São João.

Nhandeara, 27 de novembro de 2010
Marcos Satoru Kawanami



Neste ano de 2012, o Jornal Nacional anunciou a criação de um tipo de DNA sintético com estrutura diferente do natural, levantando novamente a possibilidade de seres vivos alheios ao nosso planeta, o que reforça a tese de que a vontade é absoluta, e as manifestações de uma mesma vontade são convencionais. (25 de abril de 2012)

2 comentários :

Laura Santos disse...

Eu acho que todos nós nos comportamos tantas vezes como meros protozoários, sem saber de alma ou de moral....O sentimento , a boa vontade, aquilo que eu chamo de Bem, será para ti o Verbo e Deus, para mim é o supremo valor humano que pode existir independentemente da existência de Deus.
Concepções diferentes...:-)
xx

Rafaela Gomes Figueiredo disse...

já viu Horton e o mundo dos quem?
o tema, q eu adoro, me fez lembrar..

bjo