quarta-feira, 26 de novembro de 2014

luzes da ribalta - poesia ultrarromântica - Charles Chaplin - Limelight

LUZES DA RIBALTA

O amor só pode ser se for oculto,
senão é ter, quem ama, aquele zelo
de o ente amado, após reconhecê-lo,
corresponder-lhe o culto com seu culto.

A carne poderá causar tumulto,
querendo ter razão e convencê-lo
do facto que a razão produz cabelo
no amor que, cabeludo, sobe em vulto.

Assim, o amor divino estranhamente
conduz-nos desde a pia batismal,
e, entanto, não parece estar presente.

Pois quer o amor divino um ideal,
sentir na intensidade equivalente
a mais completa peça teatral.



Nhandeara, 26 de novembro de 2014
Marcos Satoru Kawanami