segunda-feira, 10 de novembro de 2014

bolhas de sabão

Os astronautas do passado.

BOLHAS DE SABÃO

Muito legal tem sido a faina antiga
de fazer bolhas de sabão no Paço
Imperial com cetros que do espaço
extraterrestre trouxe a rapariga

lisboeta, escondidos na barriga(?),
quando a Escola de Sagres fez um traço
intergalático, e deu um abraço
no índio espacial que, gente amiga,

indicou o caminho do Brasil,
nação de onde eu escrevo agora, alheio
àquele peito ilustre e varonil

da rapariga lisboeta, esteio
do que de melhor o homem produziu:
as bolhas de sabão e seu recheio.




Nhandeara, 10 de novembro de 2014
Marcos Satoru Kawanami

10 comentários :

Paulus Vitórius disse...

Recheio mágico, tecle-se de passagem. Recheio cheio de vida e seus vazios.

Abraço.

Laura Santos disse...

Imagino a quantidade de bolhas de sabão que têm subido e se elevado desde a primeira visita dos portugueses ao Brasil!
A propósito, acho que não entendi muito bem ...acho que vou voltar a ler!...:-)
xx

Bia Fernandes disse...

Acho que vou ter que voltar a ler este post para o entender direito :)
e vou procurar a música.

Arco-Íris de Frida disse...

Me explica...

Marcos Satoru Kawanami disse...

Arco-Íris de Frida,

Explico.

As bolhas de sabão representam as brincadeiras de criança, e o devaneio, e também o nada de bom que o ser humano criou diante do tudo de bom que Deus criou.

Isso, ocasionalmente no nosso contexto cultural, eu por acaso inseri no período dos estudos da Escola de Sagres, e devaneei que, no prosseguimento daqueles estudos, viajou-se a uma outra galáxia.

O humor está na dúvida de como a rapariga enfiou os cetros dentro de si, basta ver com o que rima lisboeta. Há humor também na grandiosidade do sonho para a Escola de Sagres. E na expressão "índio espacial" que ainda faz o absurdo de indicar o caminho do Brasil, sendo que esse índio está em outra galáxia. E ainda há humor quando digo que a rapariga é varonil.

O poder mundano é ridicularizado na figura do cetro e do Paço Imperial, pois neste são feitas as bolhas de sabão com cetros.

=D
Marcos

Arco-Íris de Frida disse...

Agora entendi... e achei interessante a construçao que vc fez...

Marcos Satoru Kawanami disse...

Arco-Íris de Frida,

Falô, obrigado por me ter, digo, ter me concedido a oportunidade de esclarecer o soneto.

beijunda
Marcos

Teresinha disse...

Marcos,
imaginação fértil expressa neste engraçado soneto!
Gostei e entendi, mas adorei a explicação do teu belo poema.
Obrigada pelo comentário lá no casaquinho... e mesmo vindo duma pessoa que não tricota... sabe tão bem!
Obrigada, meu novo amigo virtual.
Beijinho

Teresinha disse...

Marcos,
com 12 filhos... como poderia tua avó ter tido tempo para tricotar???
Que trabalho teve a criar tantos filhos! Eu tive só 3 e deram muito trabalho, apesar de eu ter tido quem me ajudasse!
Bj

Rapha Barreto disse...

Muito bom Marcos!!

Beijos e ótimo final de semana
http://mylife-rapha.blogspot.com