quarta-feira, 10 de setembro de 2014

O IDIOTA - filme feito a partir da novela de Fiódor Dostoiévski

LINK

Soneto ao Idiota

Tudo de bom já foi escrito; e eu:
que poderei somar à arte escrita?,
pois, hoje em dia, quem escreve, imita
as ideias de alguém que já morreu.

Infeliz todo aquele que nasceu
na era Huxley, época maldita:
com pena não se escreve, se digita
o grito! que é da máquina, ou meu?

Não termino o soneto, e já se esgota
a lástima que eu tinha a esparramar,
e, quem lê, faz a vez de um idiota

que quer ver onde é que isto vai dar:
vai dar no céu, no mar, na flor que brota...
de todos os clichês da dor de amar.



Dumont, 1 de abril de 2005
Marcos Satoru Kawanami

12 comentários :

manuela baptista disse...

no grito comum

a poesia vai dar ao que é belo

um abraço, Marcos

Laura Santos disse...

Aí está um bom livro, e um filme melhor, quanto a mim, que o Casablanca!
Quanto ao teu soneto é um dos mais belos que aqui li; o último terceto é de uma beleza ímpar!
O grito é sempre nosso, a máquina geralmente não grita, pode é amuar de vez em quando, e depois fica tudo aos gritos!...:-)
Muito bom!
xx

Arco-Íris de Frida disse...

que quer ver onde é que isto vai dar:
vai dar no céu, no mar, na flor que brota...
de todos os clichês da dor de amar.


É... amar... dor de amar, é bem cliche... estranho...mas é...

E o filme nao assisti...

Rapha Barreto disse...

Já ouvi falar deste escritor, muito bom!

Beijos,
http://mylife-rapha.blogspot.com

Meri Pellens disse...

Ainda bem que não escuto, aí o "grito" das teclas ao serem digitadas não me incomodam.
Beijinho, meu amigo.

Bia Fernandes disse...

Já leste o Idiota? Queria lê-lo mas quase ninguém me sabe falar direitinho sobre ele. Gostaste? :)

Rafaela Figueiredo disse...

todo grito nosso deve ser transcrito, mesmo q o silêncio (nos ouvidos surdos) amenize a intensidade.

beijo, poeta

Rafaela Figueiredo disse...

*verei o filme.
adoro as dicas, como sempre digo.

Pérola disse...

A imaginação não tem limites.

Creio haver ainda tanto por inventar e escrever...

Beijo

Paulus Vitórius disse...

e isso ficou massa demais, visse?

*Huxley foi durante mto tempo uma referência literária importante p mim

**q soneto mais massa, na moral..

abraço grande.

André Foltran disse...

Muito bom.

A.J. Cardiais disse...

Marcos, estou levando para postar na Academia Virtual de Escritores Clandestinos. Abraços