domingo, 10 de agosto de 2014

canção de rádio


CANÇÃO DE RÁDIO

Queria nunca ter escrito nada,
em troca da amizade adolescente
que me fez abrir mão do expediente
de escrever à mulher eternizada.

Tem quatorze anos sempre a doce amada;
por ela, o tempo passa impunemente,
e entanto permanece incandescente
meu coração, à beira de uma estrada.

E sintonizo-me à canção do Erasmo,
porém além da estrada nunca avisto
o horizonte cantado e tão bem quisto.

Mas nada abate o meu entusiasmo
em busca do horizonte jamais visto,
sabendo que no mundo eu não existo.




Nhandeara, 10 de agosto de 2014
Marcos Satoru Kawanami