segunda-feira, 14 de julho de 2014

corrente

1994 - Eu na Parada dos Guimaraens
em Santa Teresa, é um lugar de pas-
sagem para o Largo das Neves, onde eu
costumava assistir à missa.

CORRENTE

Aplique-se em trabalho virtuoso,
na luz da primavera, o tosco Marcos
zanzando pela Lapa, aos pés dos arcos,
recebe por conselho de um idoso.

Cagou para o conselho valoroso,
beijou a vida de um viver anarco,
remou contra a maré, furado barco
achou de o recrutar, desventuroso.

De déu em déu esteve sem paragem,
a cada porto foi mais tosco sendo,
e o porto calendário na contagem.

Mas, no inverno, de frio estremecendo,
falou “busque a virtude” o néscio Marcos
vendo um rapaz aos pés dos mesmos arcos.



Nhandeara, 14 de julho de 2014
Marcos Satoru Kawanami


4 comentários :

Cecília Romeu disse...

Marquitos,
olha você na foto! :)

E a vida é assim composta de frames. Instantâneos de espelho e reflexo.

Beijos!

Laura Santos disse...

Bela foto !
O "tosco" Marcos?!
Com este soneto fizeste lembrar-me um pouco o Bocage :-)
Mas aí está uma grande verdade, os conselhos que que fingimos não ter ouvido ( não os seguindo ) serão mais tarde repetidos por nós aos mais jovens.
Será que andas mesmo a incitar os jovens à busca da virtude, ou é apenas mero exercício poético?...:-)
Muito bem escrito como sempre.
xx

Marcos Satoru Kawanami disse...

Cecília,

Na época em que eu tomava esse bonde, quase ninguém andava nele, só as crianças da escola municipal, e elas andavam de graça. Eu andava no estribo, então também não pagava.

Hoje, é proibido andar no estribo, e mais gente anda no bonde, porque o bairro se revitalizou junto com a Lapa, o bairro de Santa Teresa.

Quando eu ia lá aos sábados, passando pelo Bar Flora, na Rua da Carioca, para comprar vinho verde, Santa Teresa era um bairro meio vazio, com vários cortiços, e morada de músicos e pintores como o Frei Clemente, de quem tenho um quadro até hoje e uma foto com ele. Frei Clemente era da Ordem Franciscana, chamava-se Clemens Kesselmeier, e morava na Rua Oriente junto com o irmão gêmeo dele.

BjóKawanami

Marcos Satoru Kawanami disse...

Laura,

Assim como Bocage, posso dizer: "Incultas produções da mocidade".
xx