quinta-feira, 17 de julho de 2014

Book of Days (1988) - a film by Meredith Monk - cast: Meredith Monk, Karen Levitas, Toby Newman, Lanny Harrison, Wayne Hankin, Lucas Hoving, Robert Een, Donna M. Fields, Rob McBrien.

ALBERGUE

Eu vi, e, quando vi, eu vi bem cego;
não vendo, foi que eu vi melhor meu ser,
o cego que era cego por não crer
que quem se nega a ver é o pior cego.

Eu era magricelo feito um prego,
e tinha uma cabeça pra bater
martelo, que era dura, hoje ao meu ver
de quem enxerga bem que fora cego.

Enxergo, por exemplo, que ora enxergo,
ora não, e ora tudo é embaçado
no mundo em que não quebro, mas envergo.

Se tudo se apresenta embaralhado,
procuro a ordem, sob a qual me albergo,
e que me albergará, enfim, quebrado.



Nhandeara, 13 de abril de 2014
Marcos Satoru Kawanami

7 comentários :

Laura Santos disse...

Adorei a descrição dessa tua suposta cegueira, e cegos somos todos nós por tantas vezes não querermos ver.
Contudo quando começamos a enxergar poderemos começar a ver tudo tão complicado....;-)
Esse filme é visualmente muito belo.
xx

Marcos Satoru Kawanami disse...

Laura,

Sim, o filme é visualmente belo. Logo no começo aparece uma vassoura idêntica a que ainda usamos aqui, e que meu avô fazia. Quando criança, passei um dia fazendo vassoura da planta de vassoura com ele. Meu avô também fazia peneira e balaio, este último é o mais difícil.
Gostei do filme, porque explica didaticamente um pouco da vida quotidiana do povo normal na Idade Média.
E nunca estive cego, foi no sentido figurado mesmo.
xx

Pérola disse...

Olhar e não ver, ser cego e ver.

A vida é feita destas subjetividades.

Gostei muito.

Onde te posso seguir?

beijo

Fábio Murilo disse...

"Pensar é estar doente dos olhos"

Marcos Satoru Kawanami disse...

Pérola,

A subjetividade ainda vai me subjetivar.

=D
Marcos

Marcos Satoru Kawanami disse...

Fábio,

A gente pensa por instinto, por isso acho que é bom a gente pensar bem antes de pensar de um jeito ou de outro.

=D
Marcos

Meri Pellens disse...

Demais!!! Adoro teus sonetos, amigo!
Beijão.
M.P.