terça-feira, 22 de abril de 2014

cão e gato


CÃO E GATO

O gato olhava o cão, e, em si, pensava
maneira pra poder sacaneá-lo,
até que a ideia veio num estalo,
enquanto que o feijão eu preparava.

O cão, estranhamente, me assombrava
ralando rabanete sobre o ralo
com tal habilidade que eu não ralo,
pois gosta de ajudar, e me ajudava.

Janela aberta, surge o bom felino,
em duas patas, meio sem noção,
seguido pelo cão que perde o tino.

O cão fere a panela-de-pressão
que emite aquele timbre assaz mofino,
e é cão, é gato, é tudo na explosão...



Nhandeara, 19 de abril de 2014
Marcos Satoru Kawanami

4 comentários :

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Marcos. Quanta confusão no reino animal, rs!
Tudo pelos ares, interessante.
Vez em quando as nossas habilidades ficam adormecidas e quando aparecem é como se fosse a explosão da panela, desordenada e destruidora, mas sempre com um objetivo: aprendizado!
Tenha uma semana de paz!
Beijos na alma!

Laura Santos disse...

Um certo tom jocoso num interessante jogo de palavras, e um desfecho trágico, numa facilidade enorme de contar histórias em forma de soneto!
Só tu, Marcos, para fazeres um soneto sobre cão e gato...:-)
Muito bom e divertido, fechando de forma surpreendente.
xx

Meri Pellens disse...

O cão ralando é assombroso mesmo kkkkkkkk.... Muito bom!
Bjs.... MP.

BAR DO BARDO disse...

interessante a participação dos bichos - so good