quinta-feira, 15 de agosto de 2013

ciclo de indício


CICLO DE INDÍCIO

De dia, ensina o Sol que há muita vida,
e a luz que vem do céu é sua fonte,
desde a hora em que nasce no horizonte,
sangüíneo, até a pálida partida...

De noite, a treva morte é preludida:
ausência, um vento frio de trás do monte,
uivando, cessa no oco sob a ponte,
e a Lua-Nova é lua suicida.

Mas nasce o Sol de novo, numa boa,
e assim faz todo dia há um tempão,
de modo que, de noite, o dia ecoa!

Conforme a luz sucede a escuridão
em um ciclo de indício não à toa,
é natural haver ressurreição.

Nhandeara, 15 de agosto de 2013
Marcos Satoru Kawanami

2 comentários :

Fred Caju disse...

Lua nova como lua suicida. É algo tão na cara que ninguém diz. Eis aí a poesia em prática!

Paulus Vitórius disse...

a palavra ressurreição é bonita por demais, na moral.