segunda-feira, 1 de julho de 2013

idéia de adão - putaria - diálogo a. b. surdo


IDÉIA DE ADÃO

Não é verdade que eu só diga não
a quem só queira ouvir meu doce sim;
sim, é verdade, sempre tem de mim
paciente ouvido a boca da razão.

Se almejo ir além da compreensão
a matutar até ficar carmim,
é bem capaz que eu fique mesmo assim
porque só tenho idéia de Adão...

Que foi este soneto até aqui
além da praxe da enrolação—
mais do que ir alternando im com ão?

Acabe de Goiás todo o piqui,
paciente ouvido à boca da razão,
humano é o nome da contradição.

Marcos Satoru Kawanami
.........................................


Diálogo A. B. Surdo

—Eu gosto de pão e sou hétero.
—Eu também gosto de pão, mas sou hétero ao contrário de ti.
—Que eu tenho xoxota, e gosto de caralho...
—Então, eu gosto de xoxota, e não gosto de caralho.
—Ah, eu quero caralho... Me dá o teu!
—Não. Do meu caralho, eu gosto.
—Então, enfia ele no cu, porra!
—Eu não gosto de cu.
—Dá o teu então.
—Mas do meu cu eu... gosto?

Marcos Satoru Kawanami

Um comentário :

Marcos Satoru Kawanami disse...

JOANA D’ARC

Afia numa pedra o canivete,
e enfia-o no bolso, convincente,
na cisma de querer ser indecente
a única menina entre os pivetes...

Roubou a liberdade que compete
ao seu padrão de jogo para frente,
ousou não se render ao aparente,
e, entanto, é mais mulher, sem ser coquete.

A escola ensina muita pilantragem;
nas aulas, ela emenda a professora;
por isso, tão bem vê a vadiagem...

Se acaso a transgressão é sedutora,
sofreu esta menina defasagem
moral, pois da Moral é defensora.

Nhandeara, 7 de agosto de 2013
Marcos Satoru Kawanami