segunda-feira, 22 de abril de 2013

século do progresso


SÉCULO DO PROGRESSO

A noite estava estrelada
Quando a roda se formou.
A lua veio atrasada,
E o samba começou.

Um tiro a pouca distância
No espaço forte ecoou.
Mas ninguém deu importância,
E o samba continuou.

Entretanto ali bem perto
Morria de um tiro certo
Um valente muito sério,
Professor dos desacatos
Que ensinava aos pacatos
O rumo do cemitério.

Chegou alguém apressado
Naquele samba animado
Que cantando dizia assim:
No século do progresso,
O revólver teve ingresso
Pra acabar com a valentia.

Noel Rosa