quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

quarta de cinzas - feitio de oração com marisa monte - provei e três apitos com tom jobim, chico buarque e os irmãos caymmi - cor de cinza, com aracy de almeida



FEITIO DE ORAÇÃO

Quem acha vive se perdendo
Por isso agora eu vou me defendendo
Da dor tão cruel desta saudade
Que, por infelicidade,
Meu pobre peito invade

Batuque é um privilégio
Ninguém aprende samba no colégio (Eu aprendi sim, na banda com Mestre Djalma Araújo de Oliveira)
Sambar é chorar de alegria
É sorrir de nostalgia
Dentro da melodia

Por isso agora lá na Penha
Vou mandar minha morena
Pra cantar com satisfação
E com harmonia
Esta triste melodia
Que é meu samba em feito de oração

O samba na realidade não vem do morro
Nem lá da cidade
E quem suportar uma paixão
Sentirá que o samba então
Nasce do coração.

música: Vadico / letra: Noel Rosa




Cor de Cinza

Com seu aparecimento 
Todo o céu ficou cinzento 
E São Pedro zangado 
Depois, um carro de praça 
Partiu e fez fumaça 
Com destino ignorado

Não durou muito a chuva 
E eu achei uma luva 
Depois que ela desceu 
A luva é um documento 
Com que provo o esquecimento 
Daquela que me esqueceu

Ao ver um carro cinzento 
Com a cruz do sofrimento 
Bem vermelha na porta 
Fugi impressionado 
Sem ter perguntado 
Se ela estava viva ou morta

A poeira cinzenta 
Da dúvida me atormenta 
Não sei se ela morreu 
A luva é um documento 
De pelica e bem cinzento 
Que lembra quem me esqueceu

Noel Rosa




TRÊS APITOS


Quando o apito da fábrica de tecidos
Vem ferir os meus ouvidos
Eu me lembro de você
Mas você anda
Sem dúvida bem zangada
Ou está interessada
Em fingir que não me vê
Você que atende ao apito de uma chaminé de barro
Porque não atende ao grito
Tão aflito
Da buzina do meu carro
Você no inverno
Sem meias vai pro trabalho
Não faz fé no agasalho
Nem no frio você crê
Mas você é mesmo artigo que não se imita
Quando a fábrica apita
Faz reclame de você
Nos meus olhos você lê
Que eu sofro cruelmente
Com ciúmes do gerente
Impertinente
Que dá ordens a você
Sou do sereno poeta muito soturno
Vou virar guarda-noturno
E você sabe porque
Mas você não sabe
Que enquanto você faz pano
Faço junto ao piano
Estes versos pra você


Noel Rosa




AGNÓSTICA DE ITAQUERA
(paráfrase ao samba “Três Apitos” de Noel Rosa)

Quando o Metrô vai chegando em Itaquera,
a estação é sempre primavera
pois me lembro de você.
Mas você anda sem dúvida bem zangada,
e está interessada
em fingir que não me vê.

Eu, da janela, vejo um estádio se erguendo,
mas cá dentro vejo o mundo estremecendo,
e você sabe por quê.
Mas você não sabe que nem artista lhe iguala
quando assisto à novela na sala,
seu nome brilha na TV?

Você, no inverno, sem meias vai para a escola,
nem pro frio você dá bola,
agnóstica em nada crê.
Mas pode crer que, se o Itaquerão é belo,
cantando isto ao violoncelo,
só é belo por você!

Nhandeara, 20 de dezembro de 2011
Marcos Satoru Kawanami

2 comentários :

Adriana Godoy disse...

Ah! Marcos, gosto de ler essas paródias suas. Bom demais! Bisous

Adriana Godoy disse...

Não conhecia esse vídeo do Chico! Muito lindo, ao som do piano de Tom e a música de Noel, ah!