sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

dissonâncias - a andréa manoel

Este intervalo de 7ª entre as notas  e  é
considerado uma dissonância.

DISSONÂNCIAS - a Andréa Manoel

A verdade é só uma a verdade é
só uma a verdade é só uma a ver
dá de uma só verdade é uma só
cesura censurada sem censura?

A mentira não por favor amém
tira não por favor ah mentirá
não por favor amém tira não por
favor amém amemos amaremos?

Sem grilo cri-cri à toa a morgar
dá de uma só verdade é uma só
a verdade é só uma a verdade é

não por favor amém tira não por
a mentira não por favor amém
favor cesura sem censura amemos!

Nhandeara, 4 de janeiro de 2013
Marcos Satoru Kawanami



CESURA:
Pausa no interior de um verso. Na métrica tradicional, esta pausa era obrigatória, sendo ditada pelo ritmo imposto ao verso. Não deve ser confundida com pausa de leitura, que é variável de leitor para leitor. Os versos curtos (até cinco sílabas) não estão, normalmente, sujeitos a cesura. Nos versos longos, pode ocorrer no princípio (“Cantei; | mas se me alguém pergunta quando”, Camões), no meio (“é ferida que dói, | e não se sente”, Camões) ou perto do fim do verso (“enquanto não quiserdes vós, | Senhora”, Camões). A posição medial é a mais comum. É possível um verso conter mais do que uma cesura (“olhe o céu, | olhe a terra, | ou olhe o mar”, Sá de Miranda). A cesura é muitas vezes marcada pela pontuação. Se ocorrer após uma sílaba breve ou átona, chama-se cesura feminina; se ocorrer após sílaba longa ou tónica, chama-se cesura masculina.