segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

sonatina agreste - soneto ao luar



SONETO AO LUAR
para Ludwig van Beethoven

Eu lembro..., a tarde já desfalecia
quando a graça invadiu-me toda a mente,
e eu fiz-me mais dorido, mais carente
ao saber que pra sempre amá-la-ia.

Em chão sagrado tu me aparecias
deixando-me mais triste, mas contente,
numa estranha prantina sorridente
entre um Pai-Nosso e dez Ave-Marias.

Mulher, foste visão ou desatino?,
o que eu via era um anjo interior,
o qual timbrado está em teu destino.

E desse tão singelo modo foi-te
dado gratuitamente o meu amor
ao nascer da Lua, ao cair da noite.

Marcos Satoru Kawanami

2 comentários :

Paulo Vitor Cruz disse...

comovente, marcos... da minha falta de tempo de bloggear na net, o q mais sinto falta é de ler teus escritos, cara, na moral..

feliz natal e um grande abraço.

Larissa Bello disse...

Nossa, que lindo, Marcos!
A lua é sempre inspiradora e mais ainda Beethoven!

Bjos