quinta-feira, 8 de novembro de 2012

soneto hebreu


SONETO HEBREU

Hebreia, não permitas tu que eu morra
de amor, paixão, desejo! E, num harpejo
em sustenido ao dó de peito, arquejo:
—Feriu-me na cabeça alguma porra?

Romântico é jogar-se na masmorra;
romântico não sou, mas, ora vejo,
sou emo, dá no mesmo se o ensejo
apenas troca a touca pela gorra...

Hebreia, ver-nos-emos num sorriso;
se ver nos emos algo hilário é pouco,
cai dura: o dó de peito fez-me rouco.

Entanto, hebreu que sou sem quatro sisos
na boca, beijarei teus pés hebreus
no ninho sempre nosso aos pés de Deus...

Nhandeara, 8 de novembro de 2012
Marcos Satoru Kawanami

3 comentários :

Barbara disse...

Olá!
Obrigada pela visita, adorei aqui também =)
grande beijo!!

Francisca Matos disse...

Poeta, vemo-nos nas palavras.

Tsu disse...

Oi Marcos.
Gostei muito da imagem escolhida para ilustrar o soneto.
Ah esses eventos como o ZW é legal para você sempre ir com um grupinho porque fica bem divertido. O aniversário dam inha amiga foi logo após o ZW então psoso dizer que a levei no evento como uma "festa temática" rs.
bjs