segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Paulinho da Viola - hoje completou 70 anos de vida

Paulinho da Viola


No dia 12 de novembro de 1942, no Rio de Janeiro, nascia Paulo César Batista de Faria, filho do violista do Época de Ouro, César Faria, que viria a se tornar um dos nomes mais importantes da música brasileira. Nesta segunda-feira (12), Paulinho da Viola completa 70 anos de sucesso, música e muito choro e samba.

interpretando Noel Rosa

Sua história com a música começou ainda na infância, quando não perdia as oportunidades de acompanhar o pai em encontros com grandes nomes, como Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Tia Amélia e Canhoto da Paraíba. No violão do pai, deu seus primeiros passos e teve seu primeiro contato com o choro. Na casa de sua tia, Trindade, na Vila Valqueire, brincava os Carnavais e se apaixonava pelo samba.
O primeiro contato com uma escola de samba foi na União de Jacarepaguá. Lá, apresentou o seu primeiro samba: Poder da Ilusão. Aos 19 anos, começou a trabalhar em um banco, onde teve um econtro que mudou sua vida, com o poeta Hermínio Bello de Carvalho.

interpretando Lupicínio Rodrigues

Na casa de Hermínio, Paulinho ouviu Zé Ketti, Elton Medeiros, Anescar do Salgueiro, Carlos Cachaça, Cartola e Nelson Cavaquinho. Assim, mostrou seus sambas e começou suas primeiras parcerias. A primeira foi Duvide-o-dó, com Isaurinha Garcia, depois Sinal Aberto, com Toquinho, e Valsa da Solidão, gravada por Elizete Cardoso.
Durante a gravação de Roda de Samba, em 1965, a gravadora perguntou seu nome e ele disse: "Paulo César". Um dos funcionários da gravadora disse que aquele não era nome de um sambista. O amigo Zé Ketti, com quem gravava o álbum, levou o problema para Sérgio Cabral, que publicou a história no jornal e fez com que nascesse o nome Paulinho da Viola.

lendo Carlos Drummond de Andrade

No ano de 1969, Paulinho venceu o último festival da TV Record com Sinal Fechado. Em 1970, Foi um Rio que Passou em minha vida tornou-se o maior sucesso do ano e o projetou nacionalmente. Na década de 70, ele gravou em média um disco por ano, foi premiado e fez shows por todo o Brasil e em alguns lugares do mundo.
Na década seguinte, mais quatro discos foram gravados e ele se firmou como um dos maiores nomes do samba. Em 90, gravou um de seus mais importantes trabalhos Bebadosamba, que ganhou um espetáculo com mesmo nome.
O seu último álbum, o MTV Acústico Paulinho da Viola, foi lançado em 2007. Atualmente, segue com sua carreira de mais de 40 anos e já tem seu nome imortalizado no hall do samba.

"dança da solidão" samba de Paulinho da Viola na voz de Érica Albernaz

Portela
No final de 1964, Paulinho começou sua escola com a Portela. Ao lado de Oscar Bigode, diretor de bateria da escola, fez uma visita à agremiação. No dia seguinte, ele já fazia parte da ala dos compositores e apresentou a primeira parte de um samba, que viria a se torna Recado.

"foi um rio que passou em minha vida" samba de Paulinho da Viola na voz de Teresa Cristina

Memórias de Um Sargento de Milícias foi o seu primeiro samba-enredo escolhido e foi parar na avenida. A escola foi campeã do Carnaval. Desde então, não parou mais e é até hoje é reconhecido como um dos grandes nomes da história da escola de samba carioca.

fonte: site Terra