terça-feira, 6 de novembro de 2012

feliz de tão contente - um contra o outro - Deolinda



FELIZ DE TÃO CONTENTE

Forjado a ferro e fogo é o mundo feio,
risonho mas cruel, civilizado(?),
alheio mesmo à unção do batizado
negado ou esquecido em tanto enleio;

cismando quanto a isso, assim eu creio,
indago por que sou aventurado,
senão em tudo, em tudo contentado,
cuidando ver o bem no mal alheio,

alheio do meu mal no alheio alheio.
Muitíssimo feliz, um totalmente
aqui se encaixa na definição;

total só pode ser, é pra que veio,
o lapidar feliz de tão contente
sem ismos otimismo, a Redenção...

Nhandeara, 6 de novembro de 2012
Marcos Satoru Kawanami

4 comentários :

Francisca Matos disse...

A destinatária, ainda um tanto aturdida pela força repentista da tua inspiração, agradece a gentileza poética.

Marcos Satoru Kawanami disse...

Francisca,

Escrevi com muito carinho.

;*
Marcos

Larissa Bello disse...

"...cuidando ver o bem no mal alheio..."

Isso é uma visão que poucos conseguem alcançar, mas que, com certeza, sempre há.

Meri Pellens disse...

Achei o dito!
O meu "ferro e fogo" é noutro sentido, Marcos rs...
Bjs... MP.