domingo, 1 de julho de 2012

mundo das idéias


MUNDO DAS IDÉIAS

No mundo das idéias só, vivia
eu só, que de ideais fugir tentava;
atado por Platão, eu me arrastava
à banda de Aristóteles da via.

Da via em que seguia noite e dia,
poeta que, no mundo, calculava
o que era coisiforme e destoava
da esfera onde o ideal lhes bem servia.

Baixava-me Aristóteles ao caos
a ser esquadrinhado a lápis, ou
elevado à potência do ideal.

Mas, quando toda a frota soçobrou,
eu vi que tudo é bom; e, afinal,
no mundo das idéias sempre estou.

Marcos Satoru Kawanami

5 comentários :

BAR DO BARDO disse...

concilium + consilium = lithium

Adriana Godoy disse...

Devaneios quase apocalípticos

Descartes descartou as curvas
Maquiavel nem tão maquiavélico era
Sócrates bebeu do pŕoprio veneno
Platão eternizou-se nas cavernas

Pilatos ensaboou as mãos
A Aristóteles deixou as moedas
Pedro negou-se três vezes
Judas se perdeu nos confins do mundo

Beethoveen chegou à perfeição
Nero incendiou tudo
Lúcifer desceu à terra
Deus abandonou a criação

Dante, inferi que o inferno é aqui

Chamas ardem por todos os lugares
Chamo alguém clamo berro
Os edifícios sumiram das cidades

Nunca mais a lua!
Nunca mais a lua...
A lua nunca mais

Marcos Satoru Kawanami disse...

Henrique,

Errei mesmo, e na foto não tem como corrigir. A Adriana corrigiu outro erro ortográfico, o do post anterior, e temos de avisar uns aos outros para benefício mútuo. Eu gosto sempre.

beijunda
Satoru

Marcos Satoru Kawanami disse...

Adriana,

Já eu, tu sabes, sou do extremo Otimismo; tu o serás também, o que é uma perspectiva otimista de minha parte.

=D
Satoru

BAR DO BARDO disse...

Marcos,

o que eu me espanto com meus sacis é brincadeira, inclusive fiz aquele soneto "mea culpa" para eles. E todos têm os seus. Acontece. "Relax!"