quarta-feira, 21 de março de 2012

soneto concreto - concretismo - poesia concreta - pintura abstrata - contradição - antítese - contraste



SONETO CONCRETO

Não lembro mais de idéias, mas de imagens;
imagens pinceladas na memória
da vida verdadeira e ilusória,
sem discernir o abstrato das passagens.

Mas a vida ilusória tem paragens
em que a mente compõe suas estórias
de carrascos, heróis e suas glórias;
enquanto que a verdade é só paisagem.

De modo que a ilusão é o pensamento
a formular esquemas sempre assim:
moldes toscos do arguto entendimento.

Errante na paisagem a que vim,
a vida verdadeira e seu intento
é eu não pensá-la e não pensar em mim.

Marcos Satoru Kawanami

4 comentários :

Stella Rodrigues disse...

como não vi teu blog ainda? Jesus, que coisa maravilhosa, adorei seu soneto. Adorei o comentário que fez no meu blog. Sério mesmo. A vida é um conjunto de lembranças de paisagens que quando partirmos dessa para uma melhor, não adiantará de nada.


Vou copiar o que tu disse e completar meu poema. *-*

tonholiveira disse...



"Faltou o ferro, a areia e a brita!"

Cuidado que "RUI", não é o Barbosa!

...indo!
FUI!

:o)

tonholiveira disse...



Voltei...

Pintura abstrata é "água e cal"?

Uma pintura!

:o)

zemaurojr disse...

Um questionamento sobre existência, ciência x religião, convergências e divergências sobre teorias da vida.

www.blogdoantiquado.blogspot.com