quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

de perdoar



DE PERDOAR

É boa a alma, mas a carestia,
os desencontros da matéria, e mais:
de tudo que pertence aos animais
a fim de nos levar a alegria,

conduzem nossa sina sobre a via
crúcis da redenção em desiguais
e justos descaminhos, para os quais
em caos ordeiro o povo nasce um dia.

Assim, a boa alma, na matéria,
não pode ser tão boa quanto quer,
porquanto é a barriga na miséria.

A carne é fraca, sempre que quiser
terás o meu perdão; a escrita é séria,
diversa do rancor, que me é pilhéria.

Marcos Satoru Kawanami