quinta-feira, 21 de julho de 2011

soneto de Glauco Mattoso - precípuo - frase de Antoine de Saint-Exupéry - soneto shoeless



PRECÍPUO

Poetas não escrevem por dinheiro.
Atrizes sempre têm a mesma cara.
Modelo é meretriz mas não declara.
Rockeiro sem chulé não é rockeiro.

Jeitinho é profissão do brasileiro.
Jetom é gorjetinha em língua clara.
Juiz não diz-que-diz: profere, exara.
Barata é voto nulo em galinheiro.

As coisas têm que ser como elas são,
e não como alguns querem que elas sejam,
senão não tinha graça nem tesão.

Dos cegos só se espera que não vejam.
Do Glauco todos fazem gozação.
Enquanto alguém padece, outros festejam.

Glauco Mattoso
.......


SONETO SHOELESS

No afã de superar minhas manias
de símio faniquítico cristão,
adotei como pai o velho Adão,
e fui circuncidar tudo o que eu via.

Eu quis Raquel, porém casei com Lia,
e ainda de pastor servi Labão;
topei com boi chifrudo em contra-mão,
lançando as bases da Cornogonia…

Corinthiano sou, e não santista,
porque não vi jogar o rei Pelé
que teria me feito um vitorista!

Eu gosto de louvar mesmo é o Mané,
o sumo do resumo idealista,
eu gosto é de mulher que tem chulé!

Marcos Satoru Kawanami
.........................
note bem: "de pastor servi Labão", mas sou Católico. e leigo. 

Um comentário :

Tiago Fagner disse...

Tua poesia é muito forte, intensa e ainda tem um lirismo bem especial!
Dá gosto de ler.
Abraço!