segunda-feira, 16 de maio de 2011

confissão


CONFISSÃO

Jesus Cristo amou tanto a Humanidade
que a nós ofereceu a própria vida;
além disso, uma sorte prometida
nos entregou por generosa herdade.

Quem é o caminho, a vida e a verdade,
cravou-se numa cruz desmerecida;
e, por último gesto, na partida,
de um tal “bom ladrão” teve piedade.

Tenho uma cruz no fim do corredor;
não sou ladrão, mas sou mais pecador
pela vaidade e a velha hipocrisia.

Desde criança tenho um mau instinto,
e só por teimosia é que consinto
em partilhar o pão de cada dia.

Renata Paccola em parceria com
Marcos Satoru Kawanami