quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

A PRAÇA




A PRAÇA

Hoje eu acordei
Com saudades de você
Beijei aquela foto
Que você me ofertou
Sentei naquele banco
Da pracinha só porque
Foi lá que começou
O nosso amor...

Senti que os passarinhos
Todos me reconheceram
E eles entenderam
Toda minha solidão
Ficaram tão tristonhos
E até emudeceram
Aí então eu fiz esta canção...

A mesma praça, o mesmo banco
As mesmas flores, o mesmo jardim
Tudo é igual, mas estou triste
Porque não tenho você
Perto de mim...

Beijei aquela árvore
Tão linda onde eu
Com o meu canivete
Um coração eu desenhei
Escrevi no coração
Meu nome junto ao seu
Ser seu grande amor
Então jurei...

O guarda ainda é o mesmo
Que um dia me pegou
Roubando uma rosa amarela
Prá você
Ainda tem balanço
Tem gangorra meu amor
Crianças que não param
De correr...

A mesma praça, o mesmo banco
As mesmas flores, o mesmo jardim
Tudo é igual, mas estou triste
Porque não tenho você
Perto de mim...

Aquele bom velhinho
Pipoqueiro foi quem viu
Quando envergonhado
De namoro eu lhe falei
Ainda é o mesmo sorveteiro
Que assistiu
Ao primeiro beijo
Que eu lhe dei...

A gente vai crescendo
Vai crescendo
E o tempo passa
E nunca esquece a felicidade
Que encontrou
Sempre eu vou lembrar
Do nosso banco lá da praça
Foi lá que começou
O nosso amor...

A mesma praça, o mesmo banco
As mesmas flores, o mesmo jardim
Tudo é igual, mas estou triste
Porque não tenho você
Perto de mim...(2x)

(composição: Carlos Imperial)
.

4 comentários :

Viiii disse...

Hum.. Já toquei isso demais! É uma música muito linda e delicada. Ah, é! Feliz Ano Novo, que Deus te abençoe muito este ano e sempre, com saúde, paz, e tudo o mais.
Abraços

tonhOliveira disse...



A gente era feliz e não sabia que a felicidade terminaria,
aí veio o Odair José e disse:


Felicidade não existe
o que existe são momentos felizes.


Depois veio tanta coisa e junto veio o crime, o assalto,
o "pagode" e de um certo nojo pela música surgiu o "Sertanejo" e a Ivete Sangalo... Argh!

e os bancos da praça quebrados...

:(

Marcos Satoru Kawanami disse...

Tonho,

não existe infelicidade, o que existe são palavras infelizes em momentos de ilusão. a verdade é a felicidade.

"veio o crime, o assalto", mas por que há tanto suicídio na Finlândia e na Suíça?

"a beleza, é em nós que ela existe."
(manuel bandeira"

a felicidade, é em nós que ela existe.

"você pode se vestir com um trapo, mas, se o trapo estiver limpo, você estará bem vestido. agora, você pode se vestir com roupa boa, se a roupa boa estiver suja, você estará mal vestido."
(Olézia Barbosa de Oliveira, minha avó)


=D
Marcos

Soneca disse...

aaaiiiiin!

Inté

Ps " "veio o crime, o assalto", mas por que há tanto suicídio na Finlândia e na Suíça?"

É foda esses países perfeitos... Prefiro morar aqui.