segunda-feira, 19 de julho de 2010

poeta menor, perdoai

Recife: monumento a Manuel Bandeira

POETA MENOR

Com dois livrões: o Código Penal
mais o Civil, de capa a capa lidos,
teúdos, manteúdos e engolidos,
se faz um Bacharel Judicial.

Com porcas, parafusos de metal,
concreto, vergalhões, homens polidos
no Cálculo de Newton, entendidos,
a carta de Engenheiro é bem legal.

Jurando pelo Hipócrates antigo,
depois de nove anos de esqueleto,
germina um médico doutor amigo.

Sem vulto para o último terceto,
o poeta contempla o próprio umbigo,
e dá cabo de mais um seu soneto.

Marcos Satoru Kawanami

...............................................................


"Eu fiz o Juramento de Hipócrates, mas não sou hipócrita."
(O Analista de Bagé)

5 comentários :

bella ferraro disse...

Gostei de como o soneto se torna progressivamente sucinto até o 2o terceto, mas se mantém nos decassílabos, assegurando alguma dignidade ao poeta - mas naquela humildade esnobe que só poeta consegue criar e manter.

Mateus Henrique Zanelatti disse...

Não entendi nada do que a bela Bella disse aí em cima, pois faltei as aulas de português (a professora nem era tão gostosa). Mas gostei da forma que descreveu as carreiras, dentre elas queria ser poeta, mas nasci careta e virei engenheiro =/
.
.
.
Desafio da semana: Achar um poema de autoria de sir Isaac Newton!

Abraço por traz!

Marcos Satoru Kawanami disse...

Principia Mathematica é um poema divinamente inspirado, diria Filippo Tommaso Marinetti, ou quem cursou todos os Cálculos e Físicas da Engenharia?

Marguerita disse...

"lavo a mão depois de mijar, e principalmente antes de mijar, que aprendi na 4ª série que o importante é lavar antes, e aprendi na faculdade que: lavou, tá novo! "

Adorei!

Depois de uma atenta análise do teu comentário, julgo que passou no teste de personalidade.
Se existe um "passar"!

Gostei do soneto, Marcos. Principalmente sobre a reflexão do poeta e a simplicidade do infinito.
Embora tenha me identificado com as primeiras rimas.

Corroborando a idéia do ilustre Mateus!
;)

*Não concordo com a idéia de fofoqueiras e feministas. Contudo, concordo com a inserção das freiras no contexto!
XD

Abraço

Soneca disse...

OLha, não entendo de sonetos, como vê no meu último/único soneto, mas pra mim, tudo pode ser soneto se houver uma sonoridade entre versos e também, aquela habilidades com palavras que vejo nos seus versos fascinantes. Como esse.
Eu nem quero pensar em engenharia ou advocacia (por mais que eu goste ler, aquilo lá derrete céreros com tanta burocracia), mas medicina, uhm, interessante.

O juramento Hipócrates eu faço com figuinha...

Mas e aê, feminista eu não sou.
E eu normalmente estou divagando quando minhas amigas contam os 'babados'. *cof cof*, melhor abandonar o assunto.

Inté