segunda-feira, 12 de abril de 2010



ENJAMBEMENT


Mon argent que je necessite pour
sustentar e ostentar tudo que
compra sinceridade de você,
il non tombe pa du ciel, mon amour.

Pois, vê se te mete num soirée
do pano sublime chamado chita;
você leva jeito..., vê se imita
as prendadas moças do cabaret.

Tenho enxame na mente!, como dizem
na velha Gália: “enjambement”, e
o trabalho agora é com você.

É noite, busque uns cobres que amenizem
notre jour. Faz biquinho, até amanhã,
que eu vou bolando mais enjambement.

Marcos Satoru Kawanami

.

10 comentários :

tonhOliveira disse...



Encadeamento?

?

mas é bonito!

abTraços no obTroços no obTrecos ou obTrucos!

Pérola disse...

Boa noite meu querido.
Muito obrigado pela visita.
Vou ficar te devendo o comentário da postagem,ñ entendo muito bem rs.
Obrigado por visitar o blog do filhote.
Beijos.
Seu blog é bastante interessante, passei a vista muito rapidamente mas deu p/perceber q tens conteúdo.
Beijokas.

Batom e poesias disse...

Se a moça está ficando "cara",
é justo mandar trabalhar.
Mas tem que ser num cabaret?

Aqui Ziraldo diria que "enjambement" seria o mesmo que "macaquinhos no sótão".

abç
Rossana

Elga Arantes disse...

Que enjambement, o que, seu enjambrado, do texto enjambrado!

Já ouviu "Joana Francesa", de Chico? Lembrei da mistura das línguas (nos dois sentidos, rs) e de como ele fez o que disse em francês ter a entonação de palavras nossas, bem brasileiras. Foi lindo!

Caraca, vc é bom!

Ah! Moça do Batom, vc tinha algum,a dúvida que o Kawanami mandaria a moça para um lugar diferente? É do cara que estamos falando, rsrs...

Viiii disse...

Hummm... Francês não é o meu forte!!!!
Abraços

Marcos Satoru Kawanami disse...

Elga,

não conheço Joana Francesa, conheço a Mãe Joana e as francesas do Mangue. mas se uma mulher é Joana Francesa, não pode fazer outra coisa na vida a não ser trabalhar como francesa do Mangue na Casa da Mãe Joana, confere?



Viiii,

eu não falo francês, é minha mão esquerda que escreve em francês; a direita escreve em português.

foi um acidente de bicicleta durante minha apresentação no Molin Rouge, perdi a mão esquerda.

aí, me implantaram a mão de um francês que acabara de morrer.

BAR DO BARDO disse...

Vous parlez très bien le français... N'est pas?!

Gostei da cavalgadura, digo, do enpotrancamento!

:)

Adriana Godoy disse...

Marcos, "chercher a te comprendre c'est courrir après le vent", mas eu tento.


J'adore ses écrits toujour. Je t'embrasse.

Paulo Vitor Cruz disse...

feroz o blog, cara.. curti mto... (sou seguidor do blog da Paola... ela deu uma divulgada por lá e eu resolvi aparecer p conferir...)

*anota ae mais um leitor seu..

abs grande.

Elga Arantes disse...

Assim como dois mais dois são quatro e meio...