terça-feira, 24 de novembro de 2009



FÁBULA DA HONRA


Andando pela estrada da vida,
ia a Honra, a Ciência, e a Riqueza.
Falando com firmeza de entendida,
a Ciência disse que com certeza,

caso ela se perdesse na jornada,
na casa de um notável engenheiro,
pelas amigas seria encontrada.
A Riqueza, senhora do dinheiro,

disse: “Facilmente serei achada
no palacete de um milhonário”.
Vendo que a Honra não falava nada,

perguntaram por que o mudo fadário.
Disse, pois, a Honra: “Quem me perder,
jamais poderá tornar a me ver...”

Nhandeara, 7 de março de 2000
Marcos Satoru Kawanami



obs: ainda não conhecia a técnica do verso.
.