quarta-feira, 28 de outubro de 2009

IMITAÇÃO DE CRISTO
ao ceguinho poetão Glauco Mattoso

Não faço apologia ao sofrimento,
nem ojeriza tenho ao mundo e ao gozo;
não sou vanguarda, nem tampouco idoso;
mas, sim, dou viva ao livre pensamento.

Da graça da fé cega estou isento,
mas da graça e fé cega sou cioso,
e almejo o Paraíso esplendoroso
prometido por todo sacramento.

Cuido, porém, que Cristo deu exemplo
ao sofrer o martírio no Calvário,
altar desta verdade que contemplo:

Será no mais extremo e perdulário
despojo, sem amparo, mãe, ou templo,
que hei de ver Deus em meu itinerário.

Marcos Satoru Kawanami

.

domingo, 25 de outubro de 2009





SER PAI


“Ser mãe é andar chorando num sorriso!
Ser mãe é ter um mundo e não ter nada!
Ser mãe é padecer num paraíso!”
(Coelho Neto)



Ser pai é duvidar, mas ir em frente
criando o bacuri que está no mundo
com zelos e cuidados, sem no fundo
saber se esse pirralho é seu parente!

Ser pai é ter um título aparente
de rei, que empunha o cetro cornibundo
e veste o ledo manto vagabundo
do Chaplin que parece estar contente.

Mas, enfim, o que vale é a Família
à parte de somenos prejuízo
que fica bem na altura da braguilha.

Confie que a comadre tenha siso,
assim você verá que maravilha:
ser pai é padecer num paraíso!

Marcos Satoru Kawanami

.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

















FREUD EXPLICA?
(ficção total)

para Glauco Mattoso




“No fundo, o grande sonho masculino
é conseguir chupar a própria tora”,
assim falou Mattoso numa hora
em que se axibungava seu destino.

Quanto a mim, o meu sonho de menino
era beijar meu próprio cu por fora,
e meter com volúpia e com demora
a piccola piroca no intestino.

Aí, porém, a coisa se complica
pelo meu anatômico limite,
que não é só meu, ao que tudo indica...

De modo que, se o mestre me permite,
perguntarei: Será que Freud explica
o nosso tão onânico apetite?

Marcos Satoru Kawanami

.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009


MÁQUINA DO TEMPO

A memória que guardamos na mente,
Do tempo a passagem nos faz conscientes.

Mas o passado que a gente sente
É a memória que o traz ao presente.

E esta intuição contraditória
É a máquina do tempo da memória.

Marcos Satoru Kawanami

.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009



ÚLTIMO BAILE DA ILHA FISCAL

na monarquia
do coração,
impera a dor
do imperador.

marcos satoru kawanami
.

domingo, 11 de outubro de 2009


SONETO FEROZ


Eu não quero o lirismo comedido,
como já disse o velho e bom Bandeira;
eu não quero a bandeira brasileira
entre tantas de um mundo dividido.

Eu quero o amor geral, o Amor perdido,
difuso, tão confuso, assim sem eira
nem beira, só a vontade prazenteira
de viver sem jamais ser iludido.

Eu não quero este mundo decadente
que se ufana a dizer ser progressista
num suicídio lento, enquanto mente.

Eu quero é o ideal surrealista,
a doida sanidade do demente,
a lúcida loucura do autista!

Marcos Satoru Kawanami
.

sábado, 10 de outubro de 2009










NONSENSE 3


O governo resolveu instalar um sistema de medição e controle de abalos sísmicos que cobriria todo o país.

O então recém-criado Centro Sísmico Nacional, poucos dias após entrar em funcionamento, já detectara que haveria um grande terremoto no Nordeste do país.

Assim, enviou um telegrama à delegacia de polícia de Icó, uma cidadezinha no interior do Estado do Ceará.

Dizia a mensagem:

"Urgente. Possível movimento sísmico na zona. Muito perigoso. Richter 7. Epicentro a 3km da cidade. Tomem medidas e informem resultados com urgência."

Somente uma semana depois o Centro Sísmico recebeu um telegrama que dizia:

"Aqui é da Polícia de Icó. Movimento sísmico totalmente desarticulado. Richter tentou se evadir, mas foi abatido a tiros. Desativamos as zonas. Todas as putas estão presas. Epicentro, Epifânio, Epicleison e os outros cinco irmãos estão detidos. Não respondemos antes porque houve um terremoto da porra aqui."

Hilda Hilst Érica
jornalista sem diploma freelancer, e freelancer também
.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009














NINFETA ARREPENDIDA


Um outro dia, a coisa ficou preta
quando eu, dondoca virgem mirradinha,
topei com um negão viril que tinha
saindo dos calções uma perneta.

Um monstro meio obra do capeta;
quem sabe seja ignorância minha
ou efeito do assombro que me vinha,
mas cuido que, tal jeba, só em peta.

Caguei de medo, e fiz uma careta,
ao que ele mais sentiu-se estimulado,
e detonou-me o cu tão bem zelado.

Ainda guardo a fama de ninfeta,
porém, arrependida, vem-me o enfado:
eu tinha é que ter dado logo a greta!

Marcos Satoru Kawanami

.

terça-feira, 6 de outubro de 2009



APOLOGIA DA BESTEIRA

"A besteira é a base da sabedoria."
(Falcão, compositor cearense)


Tudo o que há de perverso para a Humanidade
desde as guerras às brigas de menor instância,
qualquer hipocrisia ou beligerância,
o Mal, fadigas, farsas, vêm da seriedade.

O que é ruim se veste de sobriedade;
os crápulas, na sua eloqüente jactância,
vestem com gozo o ledo dólman da elegância,
mas deixam sempre rastros de calamidade...

Por outro lado, que mal fez algum mendigo
ou fanfarrão ou ébrio sem qualquer valia?:
examinando a História, lembrar não consigo...

Por mim, o siso nunca mais existiria:
a severidade é fábrica de inimigo,
já a Besteira é a base da Sabedoria!

Marcos Satoru Kawanami

.

sábado, 3 de outubro de 2009

VEREDITO AO DISCURSO

Folha chata de papel,
De que me és de proveito?
Que sentir, sentido, efeito
Têm as palavras ao léu

De seus caprichos lançadas
Desde o limbo imaginário
Para o formato ordinário
Da celulose prensada?

E me ponho a escrever...
Voz burocrática entoa:
“A palavra escrita é boa!”
—Só para ofício há de ser.

Pois escrever é um ofício,
Já dizia o seu Machado
Para Bilac extasiado
Em falácias de artifício;

Mas comunicar efeitos,
Só mesmo os feitos, ação!
Abaixo inócuo confeito,
Volátil discurso vão!

Quero fazer redondilhas,
Versos-monte fervorosos!
Não dizer, mas fazer Ilhas-
Vida em mares estrondosos!

—Todo o de essencial perdido
Em seu arregrar trivial,
Talhe bidimencional.
Rudo cismo: que sentido

Têm as palavras ao léu?
Que sentir, sentido, efeito;
De que me és de proveito
Folha chata de papel?

Marcos Satoru Kawanami

.