segunda-feira, 13 de julho de 2009

À SUA IMAGEM E SEMELHANÇA

“No princípio, era o Verbo”, e o Verbo amava,
e, para amar, deu vida à criatura.
Porque ser Deus, ser Deus não Lhe bastava,
determinou a Redenção futura.

Javé, que sempre o povo Seu guiava,
sendo Senhor, desceu de tal postura
de fria impavidez que o amargurava,
pois Deus quis ser PAI, e pai de ternura.

Mas só ser pai não Lhe bastou, ainda
quis ser IRMÃO, e Se entregar exangue
nas mãos sem nexo de sinédria gangue.

E, para ser irmão, na Sua vinda,
o bom Deus recorreu à poesia:
foi FILHO de uma virgem mãe, Maria.

Marcos Satoru Kawanami
.

14 comentários :

Eloisa disse...

Que bonito Marcos, minha iria gostar! (:
Um beijo!

Isadora disse...

Muito bonito Marcos.
E nada é o bastante....
Abraços

Marcos Satoru Kawanami disse...

Elô e Isadora,

sim, este é bem família. rsrs


=D
marcos

BAR DO BARDO disse...

Marcos,

Lira afiada na Luz de Deus.

Muito bom.

Abç.

Thiago Maia disse...

Esse moleque manda muito bem nas rimas.
E segue um padrão de estrutura, ótimo!

Ótimas semana!

Paola disse...

Pra Ele, o nada é pouco
E quer ser A família
O pai, o filho, o irmão
Desceu pra cá e foi pro tronco.
ô tio, melhor c ficar ai no céu mesmo..Debaixo da saia de virgem Maria.
è como eu digo, a poesia é o começo da inteligência do homem.
Inté

Ana Karenina disse...

Deus é um cara estranho...

Eu, Thiago Assis disse...

Não consigo ser tão cuidadoso com a forma naquilo que escrevo, não tenho paciencia para isso, mas admiro bastante com consegue fazer isso tão bem.

Ótimo blog.

CHRISTINA MONTENEGRO disse...

Você fala do melhor de deus; sorte dele ter embaixador de tamanha qualidade...
BJS!

Tânia disse...

Marcos.. poxa.. quanto tempo.. sumii.. rsrs
Então.. eu nao to morando em Mació.. to em Alagoas.. São Miguel dos Campos..
mas ta tudo bem aqui graças a Deus..

Semana que vem to com net em casa (axoo) aí volto apostar.. noossa que saudade do meu bloguinho.. rsrs

beijos... teh mais !

Adriana Godoy disse...

Pode ser, pode ser...interessante seu poema. bj

Sunflower disse...

Esses negócios de religião me dá uma efervilhação no estômago que não sei.

Acredito em Deus, e quero ter fé no homem.

beijas

Marcos Satoru Kawanami disse...

Sun,

de liberdade poética em liberdade poética, às vezes nós encontramos alguma verdade, não é?

pax et bonum
Marcos

Talita Prates disse...

Que singelo, Marcos.
Gostei, viu!
Religiosidade poética sem arrogância ou ritualismo.
Paz. :)