quarta-feira, 3 de junho de 2009

POEMA QUE ERA

paraúna
graúna
juruna
suassuna
—essas eram as rimas

eu te amo
—esse era o clichê

verdes mares bravis de minha terra
—essa era a chave de ouro


Marcos Satoru Kawanami
.

9 comentários :

Eloisa disse...

Marcos, como andou sumido..
até senti o sangue correndo nas veias quando vi que tinha atualizado o blog!
eu te amo - era esse o clichê. sempre esse é o clichê porque ninguem inventou ainda nada que consiga subtituir o 'eu te amo'!

CHRISTINA MONTENEGRO disse...

RAPAZ!...
Bjs!

quase lennon disse...

;)

Katrina disse...

Nunca encontro uma chave dessas

Mıss Mαb. disse...

Curioso.
.-.

Mıss Mαb. disse...

é.. E Marcos significa Deus da Guerra. :*

Paola disse...

Eu te amo tá ficando um clichê mesmo,melhor é:
Eu te odeio,acho.
Aê...ficou melhor :D
E ás vezes rima não é boa:
O amor é dor
hoho,muito deprimente
Acho que fica melhor assim:
"O amor é O amor
Nada mais, nada menos.
E quando você o sente...
è como se tivesse levado um tiro, e sorrido depois." (hehe, acabei de fazer)

O bom é quando você tira o poema do nada, somente com um lápis e uma folha em branco, que logo é preechida com esse lindo verso.
^_^

Inté

Marcos Satoru Kawanami disse...

Paola,

muito boa a tua apreciação.

valeu!

=D
marcos

BAR DO BARDO disse...

Projeto de texto: genial!