sexta-feira, 3 de abril de 2009

QUEBRA DE MILHO
(primeira parte da colheita de milho)

Nélsu vai quebrânu míu,
i fazênu bandera dêis.
Eu, Cassim
i Jaquim
vâmu du seu ládu,
tecênu um câmpu
imbanderádu...


Nhandeara, 3 de abril de 2009
Marcos Satoru Kawanami

.

8 comentários :

Eloisa disse...

Eu ri, ficou bem legal! hahaha

Fee disse...

Tudo se aproveita.

Bunitu, sô!

Beijos para o homem pamonha :O)

R. disse...

I nêss negóss di poeta
Fazeno bandêra di míu
Disfralda a bandêra
Mas nóis, eu i Jaquim
Fica tudu sem pipoca
Pra assistí
O grobo rurár...


Marcão, voltando ao poema abaixo (o do peru do Costinha), imagino o nascimento do ornitorrinco!

Marcos Satoru Kawanami disse...

Rapá..., é mesmo: o ornitorrinco!!!

Há de sair da cruza dum pato com uma preá, ou duma pata com um porcoespinho?

Boa ideia.

Tânia disse...

Uai.. mais num é que o versinhu ficô baum !!
rsrs
beijo procê !

Marcos Satoru Kawanami disse...

Ô, Tânia, tudo bem aí?

CHRISTINA MONTENEGRO disse...

Não resisto a te mandar uma de minhas "Domésticas Reflexões Compartilháveis" de 2004:

"-NÓSS!"

Nóss ! Tô bôba !
‘Cridita quihoj
mi sinti mei mineira n’ sua casa ?
Sentadinha n’ chão ,
suas mão nus meus cabelo ,
minhas mão n’ seu joelho .
Ocê, contan’os causus ,
descreven’o como é qui’ocê
vê o trem da Vida ...
Eu, ouvin’ sempress’alguma ,
baban’o (docidileiti?)
nus meu’sorrisos ,
e morren’o di vontadi
d’í prá cuzinha fazê
um cadin’ di
pão di queij’ ,
sem queij’ ,
(purqui’ocê num gosta),
cum café fresquin’ ,
n’forn’dilenha ,
prá nóis ,
‘nquant’o lençol
quaráss’ao sol ,
pronto p’ráoutra
saliênci’, uái ;
(purqui diss’ cê gosta !) .

Christina Montenegro
(Obs.:carioca da gema; texto “ mineiro” quando a brincadeira vale a pena...)

Marcos Satoru Kawanami disse...

Christina,

Duas mineiras na cozinhas:

-Pó pô?
-Pó.


=D
Marcos