quinta-feira, 26 de março de 2009

SONETO ERÓTICO

Ao ferir meu sensível nervo óptico,
a forma feminina desejada
da carne exuberante e cobiçada
inspira o meu primeiro texto erótico.

Beleza de um pujante apelo exótico,
desvelo minha Vênus despojada,
desnuda por completo, abraseada
pelo pudor desfeito em cio caótico!

O quadril abundante e tão carnudo
se oferece ao olhar inebriado
do bardo sempre casto, assim sisudo.

Desprezando o pudor civilizado,
eu lhe osculo o clitóris já tesudo,
e enfim penetro o ventre bem amado.

Marcos Satoru Kawanami


.
IMAGEM: pintura de Artêmio Fonseca de Carvalho Filho (Temito)
.

7 comentários :

CHRISTINA MONTENEGRO disse...

Que legal!
E vivam Santa Teresa D'Ávila, Santa Clara e Maria Magdalena, CLARO!...
Parabéns!
BJS!

Marcos Satoru Kawanami disse...

Christina,

Faltou a Santa Maria Egipsíaca, que tanto foi celebrada pelo "velho bardo".

"Santa Clara, clareai
o céu dos aviadores."

"Santa Tereza, rogai por nós
moradores de Santa Tereza."

(Manuel Bandeira)



beijó(K)awanami

Kenia disse...

Sensual este poema, a sensualidade poetica é mais sexy do que qalquer uma das variações da sensualidade.

Eloisa Faccio disse...

Marcos, está aprendendo uma nova lingua, é?! hehe
nao consegui traduzir: "Amor et tussisque non caelatur. Nascentis monimur, finisque ab origines pendent. Mutum regis mundi?"
abraços, reforço o que disse a Kenia no comentario acima!

Marcos Satoru Kawanami disse...

Elô,

Amor e tosse não sejam calados, ou melhor, não se podem calar. Ao nascermos, começamos a morrer, o fim carece do início. A mudança é rei do mundo?

Quanto à linguagem erótica, não gosto. Fiz para deixar um registro de que pelo menos tentei fazer algo do tipo. Prefiro humor ou reflexão.

Eloisa Faccio disse...

Marcos, eu também prefiro humor ou reflexão ;)
E Obrigada pela tradução, haha.
'O fim carece do inicio.' inteligente isso, de quem é?

BAR DO BARDO disse...

Você já era muito bom... Eu sabia.